A entrega de cestas básicas para vendedores ambulantes, feita pelo governo do estado, provocou um tumulto na terça-feira (24) no Centro Histórico de São Luís. A ideia era evitar aglomeração por causa do novo coronavírus, mas a ideia não saiu como planejado.

Segundo o aposentado Raimundo Carlos a cesta básica vai ajudar a sua família, pois no momento ele se encontra com dificuldades para manter a alimentação na sua residência. “Tou passando mal. Não tenho nada em casa pra comer. Eu queria conseguir uma feirinha pra mim”, revelou.

Assim como quase todo mundo, os vendedores ambulantes tiveram que parar de trabalhar por causa do isolamento social. Uma medida necessária para conter o novo coronavírus no mundo.

Sem pessoas nas ruas as vendas dos vendedores ambulantes não existem. Por isso, a entrega de 1000 cestas básicas pelo governo do estado. Para essas famílias terem o que comer. Mas o que era pra ser um alívio foi recebido com preocupação.

Pelo menos é o que pensa o mestre de obras Zequinha Oliveira que diz que era preciso que a equipe responsável pela entrega das cestas fosse dividida por bairros a fim de evitar qualquer tipo de confusão. “O que custava dar um bairro cada um ir entre isso aí? Errado isso aí”, finalizou.

Entrega de cestas básicas

Cerca de 200 mil cestas básicas começaram a ser distribuídas nessa terça-feira (24) a população de baixa renda em São Luís, por conta da pandemia do coronavírus no Maranhão. Os kits estão sendo entregues pelo governo do estado em parceria com a Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema).

As cestas são voltadas a trabalhadores informais que tiveram as vendas reduzidas por conta da menor circulação de pessoas nas ruas, medida adotada após um decreto do governo para tentar reduzir a transmissão do novo coronavírus no estado.