Pelo segundo ano consecutivo, o governador Flávio Dino homenageia os policiais civis e militares que mais tiraram armas de fogo de circulação dos municípios maranhenses. A premiação é referente aos registros durante todo o ano 2017, quando as forças de segurança apreenderam 1.762 mil armas de fogo, e será realizada nesta segunda-feira (26).

Um dos premiados pelas apreensões de 2017 é Jesse Mauro Araújo, que trabalha na Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Senarc) há 19 anos: “Esta premiação em dinheiro (R$ 20 mil) é um incentivo para toda a equipe. Nada que eu faço aqui é em prol de mim mesmo, meu trabalho é em prol da sociedade e do meu êxito profissional. Somos uma equipe em que cada um faz sua parte e todo mundo ajuda todo mundo”.

O agente comemora outro bom resultado. “Na premiação de 2017, a equipe da Senarc ficou com o primeiro e terceiro lugares de apreensões e, neste ano, em segundo e terceiro. Assim como no ano anterior, vamos dividir a premiação entre toda a equipe porque nosso trabalho é e sempre será em equipe”, afirma o policial civil.

Em 2016, a equipe da Senarc tirou 56 armas irregulares de circulação, efetuou 425 prisões e apreendeu sete toneladas de drogas. Jesse explica que as investigações são realizadas por meio de três tipos de denúncias, “com base em informações de grampos telefônicos, com informações de denúncias por aplicativo de mensagens e com informações dos informantes. Todas as apreensões de armas vêm desses três tipos de denúncias, que geram apreensões de drogas com armas ou, às vezes, só armas”.

“Ano passado, em uma dessas apreensões de arma de fogo, eu fui atingindo por tiros de fuzil que me deixaram 15 dias internado e me tiraram os movimentos de dois dedos da mão. Felizmente, nós conseguimos prender um dos envolvidos e o fuzil utilizado por ele foi apreendido”, conta Jesse enquanto mostra as marcas do fato.

Mas nem o risco tira a amor pela profissão: “Eu sou apaixonado pelo que eu faço, independente de remuneração, de reconhecimento, eu gosto do que eu faço. São 19 anos me doando, trabalhando na captura diariamente e fazendo o trabalho que acredito”.

Números 

Ao longo de 2016 foram apreendidas 753 armas de fogo no Maranhão, número 14% maior que o alcançado em 2014, quando 662 armamentos deste tipo foram apreendidos pelas forças policiais.  Já em 2017, um total de 1.762 armas foram tiradas das mãos de bandidos, resultando em um aumento de 149% de armas aprendidas em comparação ao ano anterior.

Os dados são da Secretaria de Estado de Segurança Pública do Maranhão (SSP) e demonstram os resultados positivos das operações policiais no impedimento às ocorrências com uso de armamento.

Polícia Militar

Quem também receberá o prêmio de R$ 20 mil é o segundo sargento da Policia Militar Joelson Lima Rocha, lotado no 16º BPM, da cidade de Chapadinha. Há 17 anos na PM, o sargento se orgulha de cooperar para a retomada da ordem no Estado.

“Nosso trabalho vai muito além de retirar a armas das ruas. Nós temos uma aproximação muito positiva com a população, que respeita nosso trabalho. Realizamos abordagens e blitz na cidade e região, além de trabalhar em conjunto com a Polícia Civil, ajudando no cumprimento dos mandados. Isso tudo faz com que o trabalho tenha resultados positivos”, conta o sargento.

“Essa é a segunda vez que recebo a premiação anual e me orgulho muito de fazer parte deste novo momento da segurança. Nunca um governo estadual fez tanta questão de reconhecer e incentivar os policiais como esta gestão vem fazendo”, afirma o PM, que já tem planos para o prêmio.

“Assim como fiz com a premiação do ano passado, vou investir a deste ano na reforma da casa onde moro com minha esposa e três filhas. É uma ajuda muito importante”, acrescenta o PM.

O prêmio

A premiação aos policiais é concedida de duas formas. Uma é mensal, que classifica a bonificação por arma de fogo recuperada em flagrante e encaminhada à autoridade policial ou judicial devida. Os valores vão de R$ 300 a R$ 1.500, considerando o potencial lesivo do armamento e as circunstâncias da apreensão. Esses valores são depositados juntamente com os vencimentos mensais dos servidores.

A outra forma é por bonificação anual, que premia os servidores que mais retiram armas das ruas durante todo o ano anterior com o valor de R$ 20 mil.

Como funciona?

Foram definidos critérios para a concessão do benefício. Armas de fogo curtas e mais simples, como .38, por exemplo, ao serem apreendidas possibilitam premiação no valor de R$ 300; pistolas .380 chegam a R$ 500; armas .40, de calibre superior ao doze ou armas de fogo dissimuladas, R$ 800; para fuzis automáticos, semiautomáticos e metralhadoras ou explosivos de uso exclusivo das Forças Armadas e de Segurança Pública, a premiação é de R$ 1.500 por arma. Se a apreensão for coletiva, o valor é dividido pelos membros da equipe envolvidos na operação. Para receber o valor, o policial precisar registrar o flagrante e apresentar requerimento padrão.

Crime

São consideradas armas em situação irregular todas que descumprirem o Estatuto do Desarmamento, que tem como legalidade do porte critérios específicos de fins e documentação.