A Casa Branca estimou que ações cibernéticas maliciosas custaram à economia dos Estados Unidos entre US$ 57 bilhões e US$ 109 bilhões em 2016.

Produzido pelo Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca e apresentado na sexta-feira (16), o documento cita a comunidade de inteligência dos EUA como fonte.

Segundo o relatório, os principais responsáveis estrangeiros ​​por boa parte da atividade cibernética contra os objetivos norte-americanos são Rússia, China, Irã e Coreia do Norte.

A atividade cibernética maliciosa não se limita a estrangeiros. Concorrentes corporativos, ativistas que procuram desenvolver uma agenda política e o crime organizado também são responsáveis, afirmou.

Os esforços dos setores público e privado para combater a atividade ilícita contribuiriam para o crescimento do Produto Interno Bruto, diz o relatório.

A Casa Branca culpou na quinta-feira a Rússia pelo devastador ataque cibernético “NotPetya” em 2017. O governo britânico já havia condenado Moscou por ter liberado um vírus que paralisou partes da infra-estrutura da Ucrânia e danificou computadores de todo o mundo.