Os dois médicos que expediram atestados de saúde aos dois candidatos que morreram, nesta semana, durante o TAF (teste de aptidão física) do concurso da Polícia Militar do Maranhão (PM-MA) relataram que ambos apresentavam boas condições de saúde, estando, portanto, aptos para fazer o teste.

A candidata Daniele Nunes Silva, de 24 anos, obteve o atestado no dia 24 de janeiro, em Barra do Corda (cidade onde morava e trabalhava, prestando serviços como escrivã, na Delegacia Regional) com o médico Alexandre Volta A. Nascimento (CRM-MA 2826), servidor da Unidade Básica de Saúde Dr. José Abreu Silva. O médico atestou que Daniele estava em “condições satisfatórias de sanidade física e mental”.

Ao fazer o teste físico do concurso da PM-MA na terça (30), no núcleo de esportes do campus da Universidade Federal do Maranhão (Ufma), a jovem sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e morreu.

Já o atestado do candidato Marcone Ferreira Cordeiro, de 29 anos, é do dia 23 de janeiro, obtido com o médico do trabalho Adelson de Souza Lopes, funcionário da clínica particular Quality Multiserviços de Saúde. O médico atestou que Marcone estava “em boas condições de saúde, estando apto para realizar a prova de aptidão física prevista no edital do concurso da PM-MA para o cargo de soldado do quadro de Praça”.

Na sexta (2), durante o TAF, no campus da Ufma, Marcone também passou mal. Foi levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Itaqui- Bacanga e morreu na madrugada e ontem (3). De acordo com o laudo emitido pelo Serviço de  Verificação de Óbitos (SVO),  a causa da morte foi “trombose venosa”.

Morador da Vila Itamar (São Luís), Marcone Cordeiro era cirurgião-dentista e tinha o sonho de ingressar na Polícia Militar do Maranhão.

Redação Jornal Maranhão Agora com informações do Jornal Pequeno